RockDisco – Cinema Mudo, dos Paralamas do Sucesso

Era uma vez três meninos que se reuniram para montar uma banda de rock. A guitarra ficou por conta de Herbert Vianna, o baixo de Bi Ribeiro e Vital na bateria. Por conta de um “saidinha” um tal de João Barone foi chamado às pressas para tocar bateria. Por um tempo foram dois bateristas, mas depois o Vital desistiu e assim o trio ficou conhecido como Os Paralamas do Sucesso, uma das maiores bandas do nosso Rock 80 Brasil.

O primeiro disco foi lançado em 1983 e traz clássicos do nosso BRock como “Vital e sua moto” e “Cinema Mudo”. Também está lá “Química”, música de Renato Russo e que contribuiu para que a Legião Urbana tivesse seu espaço na gravadora. Veja abaixo o texto sobre o disco que está no site dos Paralamas do Sucesso. E não se esqueça, ouças as músicas, mas sempre compre o CD original.

“Eram idos de 1983. A cena do novo rock brasileiro começava a florescer, puxada pelo humor escrachado da Blitz e da Gang 90. Uma geração nascida já na ditadura militar começava a compor suas músicas e a transformar em arte o desejo de um novo país, que já se espalhava de uma forma irreversível por todas as camadas da sociedade. Se tocar na abertura do show de Lulu Santos no Circo Voador era o maior sonho de um trio de jovens músicos que ensaiavam no apartamento da avó do baixista, gravar um LP por uma das maiores empresas de música do mundo, haveria de ser o quê?

Foi com essa empolgação que Os Paralamas do Sucesso entraram pela primeira vez em um estúdio. Impulsionados por uma série de shows para os amigos (e amigos-dos-amigos) nos pequenos palcos que se multiplicavam pelo Rio de Janeiro e pelo sucesso da demo de ‘Vital e Sua Moto’ na Rádio Fluminense, eles encaravam sem muita responsabilidade a desconfiança que a linha-nobre da MPB tinha sobre aqueles jovens. Afinal, era uma geração que desprazava metáforas, tocava com guitarras na frente e pouco se importava em respeitar a suposta ‘tradição’ da música brasileira. Qual é seu guarda, que papo careta? Era esse o lema de quem só estava tirando chinfra. Era hora de mudar as coisas.

O tesão adolescente transbordava nas letras e nas bases das músicas. O riff de ‘Vital e Sua Moto’ se espalhou pelo país. Convencidos de que a sobrevivência do rock no país dependia do sucesso de outros grupos, eles aproveitaram a chance que tiveram para jogar luzes sobre o máximo de bandas possíveis, seja fazendo covers nos shows ou as citando em suas entrevistas. E eles estavam certos. A gravação de ‘Química’, por exemplo, serviu de estopim para que a EMI contratasse também o grupo de Renato Russo. Depois disso Brasília nunca mais foi a mesma. Depois disso, o rock brasileiro não foi mais o mesmo. Depois disso, é história.”

Rock 80 Brasil

Notícias e curiosidades sobre o rock nacional anos 80.

http://www.rock80brasil.com.br

Deixe uma resposta

Top